Seis em cada dez desempregados não recebem subsídio

O número de pessoas a receber subsídio de desemprego face ao total de desempregados em Portugal é cada vez mais reduzido. De acordo com os números divulgados hoje pelo Instituto da Segurança Social (ISS), em junho, apenas 392.951  desempregados recebiam aquela prestação social, num universo que em março (últimos dados divulgados pelo INE) era já de 952.200.

Por outras palavras, só 41% dos desempregados recebiam subsídio, quando um ano antes esta relação era de 43%. Ou, dito de outra forma, seis em cada dez desempregados não estavam, em junho, a receber subsídio. O número de beneficiários deste apoio também baixou face a maio, contabilizando-se em junho menos 5620 pessoas a receber subsídio.

Isto acontece num contexto de subida da taxa de desemprego e reflete em parte o efeito das novas regras de atribuição do subsídio de desemprego, que entraram em vigor em abril do ano passado e que alteraram os prazos máximos de atribuição deste apoio.  Esgotado este subsídio, poucos desempregados conseguem passar para o “social”, porque a sua atribuição está dependente de uma prova de condição de recursos.

Ainda de acordo com os dados publicados hoje no site do ISS, 68.486 beneficiários do rendimento social de inserção (RSI) perderam este apoio entre junho de 2012, quando abrangia 339.750 pessoa s, e junho deste ano, quando já eram só 271.264.

Este número também caiu 0,1% relativamente ao mês de maio, em que foram registados 271.590 beneficiários de RSI. Por outro lado, 409 famílias (0,3%) perderam este apoio entre maio e junho. A principal razão prende-se, mais uma vez, com as regras mais apertadas para aceder àquele benefício.

Já o número de pessoas a receber subsídio por doença aumentou em junho 1,8% face ao mesmo mês do ano passado, passando de 102.869 para 104.737 beneficiários no total. Mas na comparação em cadeia a subida foi de 25,8%, face aos 83.239 beneficiários registados em maio.

O Porto lidera a atribuição destes apoios (20.931), seguido de perto por Lisboa (20.723), sucedendo-se Braga (10.804) e Aveiro (8414).

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:15 | comentar | favorito